Aspectos soroepidemiológicos e fatores de risco para as doenças sexualmente transmissíveis e hepatite C em idosos de Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

 

As doenças sexualmente transmissíveis (DST) são importantes causas de doenças agudas, incapacidade e morte. Dentre as quais, são relevantes a sífilis e as infecções por HIV, HBV e HCV. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que ocorram, anualmente, cerca de 340 milhões de casos novos de DST em todo mundo. Observou-se, nos últimos anos, um deslocamento da estrutura etária brasielira, com acréscimo no número de indivíduos com mais de 60 anos, com o aumento também dos casos de Aids nessa faixa etária em ambos os sexos, que passaram de 585 casos em 1999 para 1623 casos em 2009. Diversos fatores tornam os idosos vulneráveis às DSTs, incluindo-se questões culturais, a não realização de sexo seguro, e o aumento da atividade sexual. O presente projeto visa verificar a prevalência de HIV, HBV, HCV e sífilis, bem como avaliar os fatores de risco relacionados a essas infecções em idosos, a fim de se conhecer a vulnerabilidade específica desta faixa etária, tornando possível a adoção de medidas mais eficazes de prevenção que possam proporcionar redução do impacto dessas doenças para os indivíduos e para o sistema público de saúde.